O passo do Galibier (Col du Galibier) com bicicleta de estrada: vertente norte

O passo do Galibier, juntamente com o Alpe d’Huez e o Col d’Izoard, é uma das subidas alpinas que marcou a história da Volta a França e do ciclismo. É possível chegar a este passo a partir da vertente norte, saindo de Saint Michel de Maurienne através do Col du Télégraphe, ou a partir da vertente sul, passando pelo Col du Lautaret.

Mais informações sobre o passo do Galibier

O passo do Galibier é um passo alpino situado a 2642 metros de altitude e que divide a secção dos Altos Alpes e de Saboia, juntando o vale de Maurienne ao vale de Guisane.

Desde 1911, foi subido mais de 60 vezes na Volta a França e foi classificado como uma subida “Hors Catègorie” (categoria especial).

O passo do Galibier (Col du Galibier) a partir da vertente norte

Começa em Saint Michel du Maurienne, com uma altura de pouco mais de 700 m. É possível chegar aqui de carro, mas recomendamos que estacione uns quilómetros antes para poder fazer o aquecimento antes de começar o percurso (o vale de Maurienne é a opção perfeita, já que tem pouco desnível).

A subida de 35 km tem uma inclinação média de 5,5%.

Saída e Col du Télégraphe

Deixando para trás Saint Michel du Maurienne, os primeiros 12 km levam-nos até Col du Télégraphe. Para mim, este é o troço com menos encanto, mas é também o mais fácil. Uma inclinação quase constante de 7%, muitas curvas fechadas, árvores que refrescam e criam sombra (mesmo no verão) e vista sobre o Forte de Télégraphe; com estas condições, é possível alcançar a colina com menos impedimentos.

Valloire

Depois de passar pela colina, a altitude desce uns 150 m durante quase 5 km. Chegamos à famosa estação de esqui de Valloire, onde começam os últimos 18 km de subida até ao passo do Galibier.

Depois de uma primeira parte de grande desnível, que nos leva para fora do centro urbano, a estrada torna-se ligeiramente plana e a paisagem muda. Pouco a pouco, desaparecem as árvores e ficamos rodeados por pedras; continuamos a subir de forma constante, sem inclinações importantes, até ao km 27.

Os últimos quilómetros

A 7 km do cimo, começa a parte mais dura de toda a subida do passo do Galibier. Depois de uma curva pronunciada à direita, a estrada inclina-se. Encontramo-nos a 2000 m de altura e, a partir desse momento, há um desnível entre 8% e 9%: esta é a última parte da subida, a mais extenuante, mas também a mais fascinante.
Depois de algumas curvas fechadas, entramos no vale e vemos o passo do Galibier ao longe, o que nos dá motivação depois de mais de 30 km a pedalar encosta acima. Temos finalmente um ponto referência e, como que por magia, as pernas começam a pedalar mais depressa e quase que nem notamos o cansaço. Quase!

Enfrentamos os últimos 3 km assim, num estado de quase inconsciência devido à altitude, ao cansaço e ao ambiente majestoso que nos rodeia.

A 2642 m de altura, o ar é muito fresco, frio até se o tempo não for muito favorável. Está na hora de tirar algumas fotografias, apreciar a paisagem e voltar a descer pelo mesmo caminho.

E aqui estamos, a tremer, e de volta a Saint Michel du Maurienne.

Recomendações

  • Sendo uma alta montanha, é aconselhável consultar a previsão meteorológica antes de se pôr a caminho.
  • Recomendamos que opte pelos meses de julho agosto, quando as temperaturas são mais altas.
  • Não existem muitas fontes de água em todo o percurso, sendo recomendável levar consigo dois bidões, sobretudo nos meses mais quentes.

 

Stefano Francescutti

 

Col du Galibier com bicicleta de estrada

Deixar um comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here